30.01.18 

Esbanjando beleza e usando um vestido da marca Gucci, Dakota Fanning estampa a capa de fevereiro da Vogue Austrália. Além de nos render várias fotos incríveis, a Vogue Austrália, realizou um entrevista com a atriz onde a mesma conta sobre sua conta secreta no aplicativo Instagram, e sobre a sua vida pessoal. Confira a entrevista e o photoshoot abaixo:

 

Talvez seja apenas uma isca para cliques, mas parece que quanto mais você procura, mais você fica sincronizado com os atores ficando metódicos, sendo superados por seus papéis, se perdendo em qualquer carga emocional que seu personagens carregam e suas dores. Nós aplaudimos os atores que vão tão longe, eu não estou dizendo que eles são indignos, mas tem algo a ser dito para aqueles que podem levar as complexidades de seus personagens com uma atitude tipo Teflon. Desde os seis anos, Dakota Fanning tem sido a última. Se ela está se apaixonando, sendo abusada sexualmente na tela, cometendo um crime ou lidando com a morte ou problemas mentais, ela vai atuar como se tivesse vivido isso, mas encolhe os ombros para a mesma música: “É atuação.” Isso implora a questão: Dakota Fanning é a maior atriz de nível em Hollywood?

O Natal está apenas chegando quando nós conversamos. Tendo escapado de New York para os feriados, ela está escondida na casa de seus pais em Los Angeles. Como acontece para pessoas ocupadas nessa época do ano, Fanning desceu com uma gripe indesejada que chegou assim que ela parou. Uma doença, que ela diz ter estado lutando contra o ano todo devido à agenda, viagens internacionais e trabalho. Tendo passado boa parte do ano passado em Budapest filmando sua primeira série de televisão, ‘The Alienist’ (passando agora na Netflix), Fanning está aproveitando um momento de descanso. Esse ano vamos vê-la no filme do diretor australiano Ben Lewin, ‘Please Stand By’ (lançamento australiano a ser confirmado), fazendo uma pequena aparição em ‘Ocean’s Eight’, todo de mulheres, e continuar seu trabalho para ter uma adaptação de ‘The Bell Jar off the ground’ de Sylvia Plath.

Contudo, você pode dizer que ‘The Alienist’ é o maior projeto datado de Fanning. A ambiciosa adaptação da novela de Caleb Carr com o mesmo nome viu a mulher de 23 anos mergulhar em um projeto com uma equipe de estranhos, em um país estrangeiro, sem menos. “Eu estava realmente assustada antes de ir,” ela admite. “Seis meses é uma grande parte da sua vida. Eu não sabia, nem conhecia, ninguém com quem estava trabalhando, e enquanto eu estive em Budapest antes, eu não conhecia a cidade tão bem.” Ela ilumina, sua voz refletindo: “Mas isso foi uma das mais prazerosas surpresa na minha vida. Eu estava tão confortável; Eu aprendi a relaxar e realmente aproveitar minha vida lá. Eu solucei histericamente quando tive que sair!” Ela ri. “Eu estava tentando explicar isso pra minha mãe, que não podia visitar, mas ela não entendeu. Ela estava tipo: ‘Bem, estou feliz que você gostou.’” Ela ri de novo.

O cenário de um crime dramático no fim dos anos 80, em torno de uma série de mortes de jovens rapazes, ‘The Alienist’Fanning ser a personagem forte mas delicada Sara, a secretária-detetive destruidora de tetos de vidro, e estrela junto com Daniel Brühl e Luke Evans. O projeto é co-produzido por um time estelar, incluindo o diretor Jakob Verbruggen (Black Mirror, The Fall, House of Cards), Cary Fukunaga (True Detective, Jane Eyre), o vencedor do Oscar Eric Roth (Forrest Gump, The Curious Case of Benjamin Button, House of Cards) e nominado Hossein Amini (Drive, Two Faces of January), então Fanning está nas mãos de produtores de primeira.

“Televisão se tornou um lugar incrível; Eu sinto como se estivesse assistindo mais TV do que estando em filme no momento,” ela diz. “Então é algo que eu estava totalmente aberta para isso, eu apenas não estava achando o projeto certo. Eu não estava familiarizada com o livro, mas quanto mais eu mencionava isso, as pessoas iriam dizer tipo: ‘Ai meu Deus, o livro é é tão bom!’ Quando eu li estes scripts e o personagem, isso começou a parecer certo.” Dakota adiciona: “Eu sou muito planejadora. Eu gosto de rotina, eu gosto de ter uma agenda, e estou completamente na profissão errada para personalidades do meu tipo,” ela diz, rindo. “Muito está fora do controle e muda em um desejo. Então isso me trouxe alguma paz, de certo modo, sabendo que isso é o que farei pelos próximos seis meses.”

Dakota Fanning se junta a extensa lista de muitos atores fazendo a mudança de filmes para TV ultimamente. Não mais a média lista B da indústria, na verdade tem mais nisso do que um pacote de bom pagamento: acessibilidade. Como um ator, a ideia de que seu personagem pode se desdobrar semana a semana, revelar um pedaço disso para tantos cenários quanto possível ao redor do globo, é tentador. Trabalhando com despesas e talentos que garantem um longa metragem de qualidade? A cereja no topo. “Tem algo animador sobre a TV,” ela assente.Do jeito que as coisas estão agora, certamente filmes vão apenas estar na tela de alguns teatros e países, e pessoas talvez nem saibam que eles existem. Então é algo muito legal pra mim saber que essa série vai estar disponível todos os dias e alcançará mais pessoas em suas próprias casas. ”

Da filha mais nova de alguém que sofre com doença mental para uma adolescente abertamente sexualizada, uma estrela do rock, paciente de leucemia, vítima de agressão sexual, manifestante ambiental, noiva criança, criminosa, muda temendo por sua vida, ativista política não lavada se escondendo no subterrâneo, clone que fugiu, jovem autista e a presa de um monstro Ártico… crie uma pequena lista dos personagens mais interessantes de Fanning (ela apareceu em mais de 44 filmes) e você verá que ela certamente fez muita corrida, mas também escolhe personagens com muitas complexidades. Da idade de seis, Fanning tem escolhido esses personagens resistentes e experimentando a vida através deles vicariamente – como isso não a fez ficar insana? “[Tem] uma fronteira, e eu sempre disse ou pensei no fundo da minha mente: talvez é porque eu era mais nova, mas é tudo fazer-acreditar,” ela diz. “É tipo: ‘Oh, eu vou fingir fazer isso.’ Quando fui ficando mais velha, as fronteiras ficaram sempre claras e isso ficou comigo. Então eu continuo como: ‘Oh, eu fingi que isso aconteceu comigo.’” Ela pausa. “Também é importante lembrar que apenas porque você atuo algo, não significa que você realmente sabe como é.”

Fanning adiciona fazendo um ponto não pensar nas coisas a ajuda a manter sua saúde mental em cheque; o oposto, ela diz, lidera a insegurança e uma tendência de ficar sobrecarregado. “Isso não é apenas particular para atores ou pessoas na indústria de entretenimento,” Dkota fala. “Você pode fazer a si mesmo insano pensando sobre todas as possibilidades vindas dos “esses”, dos “eu deveria”É apenas um infinito buraco sem fim, e eu só… não posso. Então todas essas partes, eu realmente nunca penso elas como isso. Tem apenas alguma coisa sobre o projeto ou os personagens que eu estava tipo: ‘Oh, isso é legal’ ou: ‘Oh, eu quero fazer isso. Eu quero ser quem fala isso!”

Ela tem sido atriz desde o jardim de infância (apenas com sua irmã mais nova, Elle), então um tem que perguntar como ela navegou o caminho rochoso de clichês que muitos atores quando crianças navegam. “Eu ainda não sei como responder isso,” ela diz.Eu acho que porque eu sempre manti que eu nunca me senti entitulado a nada porque eu fiz filmes. Eu acho que vem da minha mãe. Levou anos e anos para admitir que nos vivíamos em Los Angeles. Quando as pessoas estavam tipo: ‘Oh, onde você vive?’, a sua resposta sempre era: ‘Nós somos de Georgia, vivemos em Georgia, nós estamos aqui fazendo isso para algum filme que a Dakota está fazendo por um tempinho.’ Não tinha:Estamos nos mudando para Hollywood então Dakota pode ser uma atriz!’” O que indiscutivelmente diz mas sobre o jeito pé no chão de Dakota e sua família de ter crianças focada mais do que qualquer outra coisa. “Eu nunca quis fazer um grande erro que comprometesse o que eu amo fazer,” ela adiciona pensativa. “Pode ter outros motivos que isso vai longe – nada é garantido. Mas, eu nunca quis que isso fosse tirado de mim porque eu fiz uma decisão muito ruim, sabe? E eu estava também com medo da minha mãe e não queria entrar em problemas e desapontar ninguém.Que mulher a senhora Fanning deve ser.

A atriz também mantém que ela nunca experimentou nada das nuvens escuras que tem coberto Hollywood, insistindo que ela nunca foi sexualizada quando uma jovem estrela, ou pelo menos se isso aconteceu na mídia, foi privada disso. Mesmo quando ela fronteou uma controversa campanha de Marc Jacobs aos 17, que foi criticada por sexualizar uma menor, ela não prestou atenção. “Tem muitas coisas mais importantes para falar sobre do que o que estou ou não vestindo,” ela diz.É gasto de energia. Eu fiz coisas para Marc Jacobs antes e Juergen Teller (fotógrafo) é um amigo meu e quando alguém tenta poluir isso, eu estava tipo: ‘Você não vai tirar isso de mim. Isso é legal. É girlie e bonito e eu posso vestir o que eu quero. Se você está sendo assustador, então você tem problema.” ela finaliza.

Um dos poucos atores da sua idade que tem administrado a fama e privacidade por tanto tempo quando ela tem, Fanning não pulou nas mídias sociais na hora, preocupada que ela iria revelar muito, cometer erros ou desapontar sua futura eu. “Eu lembro de sentar em uma classe na escola olhando os nossos celulares e Instagram tinha acabado de sair,” ela diz. “Minha amiga estava tipo: ‘Você tem que ter Instagram.’ Eu nunca tive um Facebook ou Twitter ou qualquer coisa, porque sempre tive medo. O que eu estaria colocando? Eu não queria que as pessoas vissem minhas coisas. Está mudado agora, mas eu sinto que tive que tinha que ir através de alguns desses anos de adolescente antes das coisas entrarem nesse nível louco que estão agora. Mesmo que eles fossem meio loucos, eu sinto que as coisas se tornaram maiores.”

E então tem namorar, o que Fanning despreza – preferindo ou estar completamente dentro ou fora. A antiga é onde ela está, ou melhor,  “felizmente não solteira”, mas não namorando uma “pessoa pública”. “Eu sempre meio que namorei alguém um pouco removido,” ela diz, seu relacionamento mais notável nos anos recentes foi com o modelo Jamie Strachan, 13 anos mais velho. “Eu vejo o furacão em pessoas famosas namorando pessoas famosas e parece tão intenso,” ela diz.

Como exatamente alguém navega em namoro quando sua infância inteira, adolescência, juventude e literalmente tudo que você disse em público é acessível? Especialmente para uma auto-confessada pensadora? Fanning quebra em uma risada doce. “Hey, eu fiz isso! Eu juro, quando o assunto é Instagram, minhas habilidades de stalker são incomparáveis. Eu posso descobrir qualquer coisa, eu realmente posso. Eu tenho uma conta privada para stalkear.” Ela fala. “Mas isso me assustaria se alguém falasse sobre todas essas coisas. É tipo: ‘Okay, mantenha no seu banco pessoal de conhecimento, só não me diga que tem!’” Celebridades, eles são como nós.

É difícil de acreditar que alguém tão jovem e tão cheia de realizações ainda carrega a fome por seu ofício, mas você tem o sentimento de que Fanning está em seu canto agora, e exatamente onde ela tem que estar. “Eu quero me sentir estabelecida pessoalmente e profissionalmente,ela dá de ombros. “Eu sinto mais estabelecida quando estou trabalhando consistentemente. Eu quero dirigir mais e, pessoalmente, eu não posso esperar pra ser uma mãe. Eu não posso esperar pra casar. Não ainda, mas essas coisas são importantes pra mim e eu penso sobre.”

Fanning terá 24 anos em 23 de fevereiro, marcando o que ela se refere como sua “idade de fazer acreditar”: o número que tem sempre sido sua idade quando estava brincando. “Quando nós brincávamos ao redor da casa quando eu era mais nova, nós iríamos fingir ter 24,” ela revela, rindo. “Não parecia tão nova, nem tão velha, e então eu estou finalmente tendo 24, o que é estranho. É a idade que eu sempre fingi ter.”

FONTE: Vogue Austrália.

 

CAPA
1~51.jpg1~51.jpg1~51.jpg1~51.jpg
PHOTOSHOOT
4~45.jpg3~48.jpg7~37.jpg5~41.jpg